A Palavra

Eugene H. Peterson, professor emérito do Regent College, em Vancouver – Canadá, diz o seguinte: Esse livro (a Bíblia) nos torna participantes no mundo da existência e da ação de Deus; nós não participamos dele em nossos próprios termos. Não elaboramos a trama nem decidimos qual será o nosso personagem. Esse livro tem poder gerador: coisas acontecem conosco quando permitimos que o texto nos inspire, nos estimule, repreenda, apare as arestas. Ao chegar ao fim desse processo, não somos mais a mesma pessoa.

domingo, 3 de dezembro de 2017

QUANDO APENAS AMAR NÃO RESOLVE...






Se for possível, quanto estiver em vós, tende paz com todos os homens.
Romanos 12:18

Tenho visto um comportamento, acentuado ultimamente, que me assusta pelo perigo embutido que carrega. Isso vem acontecendo com muitas pessoas de bem, nas diversas camadas sociais e também dentro da Igreja em várias denominações. É um comportamento conformista dirigido pelo pensamento de que o verdadeiro cristão deve aceitar tudo em nome da paz e em nome do amor ao próximo. Esse é o principal mandamento e, portanto, deve ser observado seja a que preço for. Respeito a tudo e a todos porque assim manda a cartilha da boa cidadania e do cristianismo moderno e sem preconceitos.

O perigo mora exatamente aí. O custo-benefício desse comportamento será mesmo favorável ao cristão no final? Estou falando de “eternidade” ... E não apenas a ele, cristão, mas ao seu próximo também? Nem tudo o que traz aparência de bem ou de amor se mostra assim no fim da estrada. O engano usa exatamente esta porta para entrar; a porta do bem aparente, da liberdade sem limites disfarçada de “democracia”; da negligência pela alma do outro disfarçada de respeito por sua opinião, etc... Há caminhos que ao homem parecem direitos, mas ao final darão em caminhos de morte, diz o verso 12 lá do capítulo 14 de Provérbios.

Até que ponto estamos realmente cumprindo o mandamento de amar ao nosso próximo quando evitamos tocar em certos assuntos que na opinião dele, ou da maioria, só dizem respeito a ele mesmo? Será que foi isso mesmo que Jesus mandou fazer? Deixar o próximo viver a vida como ele quiser por respeito às suas convicções mesmo quando estejam em desacordo com o que o próprio Deus falou? Isso é mesmo amor ao próximo? Ou apenas amor a nós mesmos e à nossa própria tranquilidade e segurança evitando confrontos; talvez, ainda, um cuidado com a nossa própria imagem, afinal, muitas vezes não “agradamos” quando precisamos contrariar a vontade alheia, pelo contrário, seremos, com certeza perseguidos e rejeitados, taxados disto e daquilo. Porém, “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça, pois deles é o Reino dos céus,” diz Mateus 5:10

É claro que precisamos respeitar a opinião do nosso próximo, caso ele não queira de modo algum ouvir e ponderar sobre outra interpretação de textos e fatos, afinal, cada um tem uma visão de mundo que depende de muitos fatores e experiências que não poderiam ser abordados aqui por completo. Cada indivíduo interpreta fatos e conceitos de acordo com a bagagem recebida na vida, e age a partir dessa interpretação, mas suas atitudes influenciam o meio em que vivemos e, portanto, ninguém é, nem de longe, isento de responsabilidade com o que gera à sua volta devido ao seu comportamento; ninguém se livrará de responder por sua omissão e também pela intromissão quando sem limites. É preciso equilíbrio mesmo, em tudo, mas não podemos esquecer do perigo de deixarmos nossa mente se habituar aos conceitos deturpados que andam infestando cabeças por aí.

Paulo, considerado o maior dos apóstolos apesar de ter sido, de início, um dos maiores perseguidores do pensamento cristão, alertou em Romanos 12:2 – “Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus.” A nossa mente precisa ser renovada de acordo com a perfeita vontade de Deus e não conforme os padrões deste mundo, os quais podemos muito bem perceber que se tornam a cada dia mais pervertidos, fato este anunciado na Bíblia também, portanto, nem poderemos alegar que não sabíamos que isso aconteceria.

Se todos pudessem viver sem se preocupar com o que acontecerá com os outros, sem temer o resultado
a curto, médio ou longo prazo das atitudes de cada um, seria uma tranquilidade. Seria muito mais fácil, para todos, se as coisas funcionassem exatamente assim na vida e dessem certo também na pós-vida. Mas a Bíblia, que norteia as atitudes cristãs, não mostra as coisas exatamente assim. Em Tiago 4:17 está escrito: “Aquele que sabe que deve fazer o bem e não o faz, nisso está pecando.” Somos responsáveis uns pelos outros não apenas nas obras sociais, lutando pelo bem-estar terreno das pessoas à nossa volta, mas principalmente pelo destino do espírito delas que será eterno, um destino que passa infinitamente além dos 80, no máximo 100 anos de vida que teremos por aqui.

Para isso, devemos, claro, respeitar as convicções alheias, isto é até óbvio, mas não podemos fugir da obrigação de manifestar o que pensamos e por que pensamos sobre determinados comportamentos. O que manda a Bíblia é isso: “Antes, exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado; Hebreus 3:13;  E ainda, em Ezequiel 33:8: “Quando eu (Deus) disser a um ímpio que ele vai morrer, e você não o advertir nem lhe falar para dissuadi-lo dos seus maus caminhos para salvar a vida dele, aquele ímpio morrerá por sua iniquidade; mas para mim você será responsável pela morte dele.”

Não devemos mascarar a fé no que cremos ser a verdade, se é que cremos mesmo, apenas por medo de ofender a crença do outro. Ele tem direito de manifestar suas crenças tanto quanto nós temos, isso é indiscutível! Porém, não antes de cada um expor seus motivos e provar suas convicções para exaurir as dúvidas dos dois lados. Quando já se tem certeza, a discussão é desnecessária. SE nós “realmente” cremos em algo, aquilo é verdadeiro para nós e a nossa obrigação é trazer a verdade à luz; "Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte...ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. (Mateus 5:14-15); O que diz a verdade manifesta a justiça, mas a falsa testemunha diz engano. Provérbios 12:17

Se para ele, nosso próximo, o que cremos não tiver o mesmo significado de verdade que ele busca, a nossa parte terá sido cumprida; pelo menos, teremos cumprido nossa parte revelando o que para nós é verdade por entendermos que o próximo seria beneficiado por ela tanto quanto nós. Isso é amor e cuidado pelo próximo... Precisamos, sim, firmar e confirmar o nosso amor ao próximo quando ele está errado, isto é realmente essencial, já que somos todos feitos da mesma matéria; podemos estar bem hoje e cair amanhã, quando também precisaremos de amor, cuidado e firmeza de terceiros, não somos perfeitos, basta lembrar do que está escrito em I Coríntios 10:12: “Aquele, pois, que cuida estar em pé, veja que não caia”. Porém, devemos sim, evitar qualquer coisa que se pareça com simpatia pelo pecado e cuidar de nós mesmos tanto quanto do nosso próximo. O amor verdadeiro muitas vezes exige que sejamos firmes e até combativos em favor da restauração do outro.

Se, porém, não cremos verdadeiramente naquilo que afirmamos, se não acreditamos do fundo do coração, é melhor calarmos a boca mesmo. Mas se cremos, seremos no mínimo “negligentes, egoístas e desobedientes à Palavra” se nos omitirmos, quer seja por respeito, por educação ou medo de ofender. Estaremos menosprezando o próximo ao pensar que só nós temos direito à verdade e aos benefícios que sabemos que ela nos trará. Afinal de contas, são verdadeiros os princípios em que cremos ou não? Acreditamos que eles nos trarão vida e todos os benefícios inseridos nesses princípios ou não podemos afirmar isso com certeza? Se alguém não tem certeza do que crê, então que fique na sua mesmo, mas não atrapalhe o verdadeiro cristão, aquele que crê na Palavra de Deus, de cumprir o seu papel. 

A democracia é um “bem” real que vem sendo deturpado ultimamente. E por que vem sendo deturpado? Justamente para que seja aberta essa porta chamada liberdade sem limites por onde entra o engano de que todos têm o direito de buscar a felicidade seja onde for, a que preço for e NINGUÉM tem nada com isso. MENTIRA DO INFERNO ESSA! Criada para gerar passividade na Igreja atuante! Se eu conheço uma verdade e deixo de anunciar por “respeito” ao direito que o outro tem de errar, eu estou fazendo qualquer coisa, menos demonstrar amor ou cuidado pelo próximo.

Que amor é esse que conhece o despenhadeiro no final do caminho e “deixa” que o outro siga adiante, sem freios, em nome da democracia, em nome de um respeito “fora de hora” pelo direito do outro de escolher andar por ali porque esse caminho o faz mais feliz? Deixaríamos alguém se matar só porque ele está convencido de que isso é bom para ele? Nunca! Deixaríamos uma criança brincar com uma faca bem afiada só porque ela quer e acha que consegue brincar com aquilo sem se machucar? Claro que não!

Então, como deixar que crianças fiquem à mercê de um perigo tão grande como uma escolha que vai influenciar sua vida toda quando ainda não há maturidade suficiente para tanto e sua mente pode ser usada como terreno para desvios de toda espécie? Refiro-me, aqui, à ideologia de gênero e ao suposto incentivo à cultura e liberdade de expressão que temos visto ultimamente e que percebemos ser um veneno para sociedade e pedra de tropeço para pessoas mais fracas emocionalmente. E nem é preciso ser sociólogo ou psicólogo para sentir cheiro de caos em tudo isso!

Quer elevar ou destruir uma sociedade, comece com as crianças. “Ensina à criança no caminho em que deve andar e ainda quando for velha não se desviará dele” – ou, na NVI – “Instrua a criança segundo os objetivos que você tem para ela, e mesmo com o passar dos anos não se desviará deles.” Provérbios 22.6... esse é o versículo mais batido em qualquer Igreja que se preocupa com o futuro das suas crianças. Jesus foi tão claro e contundente quanto a isso quando disse: "Quem recebe uma destas crianças em meu nome, está me recebendo. Mas se alguém fizer tropeçar um destes pequeninos que creem em mim, melhor lhe seria amarrar uma pedra de moinho no pescoço e se afogar nas profundezas do mar. Ai do mundo, por causa das coisas que fazem tropeçar! É inevitável que tais coisas aconteçam, mas ai daquele por meio de quem elas acontecem!” Mateus 18:5-7... Deus me livre de estar entre estes!

Se nós lutamos tanto para preservar a vida física (que sabemos ser passageira) como não lutaríamos para preservar a vida do espírito dos seres humanos que é eterno? Não nos preocuparíamos com nossos conhecidos, amigos, filhos, parentes, se percebermos uma noção enganosa rodeando a alma deles? Isso pode ser tudo, menos amor ao próximo! Isso tem cheiro de egoísmo se eu estou bem, os outros que façam da vida o que quiserem tem cheiro de desprezo pelo destino alheio, de preguiça de arregaçar as mangas para lutar por alguém, cheiro de menosprezo pelo destino da alma do outro, cheiro de medo de alertar para não se meter em confusão, não queimar a própria imagem, cheiro de comodismo, tudo isso, menos amor ao próximo. 

Vejo isso como uma armadilha que o príncipe das trevas plantou no caminho dos filhos da luz para apanhar até os escolhidos; e está funcionando, porque vemos muitos cristãos por aí acariciando a cabeça do pecado e convenhamos, pecado bem cabeludo junto com a cabeça do pecador achando que estão simplesmente “amando e respeitando” o seu próximo. Estão evitando “julgar” já que não lhes cabe esse direito, mas também estão evitando alertar para desarraigar o mal, tornando-se passivos diante do pecado. Esquecem -se que devemos “examinar” tudo e reter o que é bom; não se trata de “julgar” o pecador, mas de evitar o pecado exatamente como orienta a Palavra de Deus: “... ponham à prova todas as coisas e fiquem com o que é bom. Afastem-se de toda forma de mal. I Tessalonicenses 5:21-22 . E, muito importante também: “Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados.” Escrito em Tiago 5.20.

Quem ama cuida, nem que, para isso, seja necessário pesar a mão ou o verbo. Jesus não desprezou nenhum pecador, sentava-se à mesa com eles, mas com um propósito bem definido, o de “alertar” e orientar. E mandou que fizéssemos o mesmo. Detalhe: quando foi preciso ele usou até um chicote e, em outras ocasiões, foi bem duro nas palavras, porque sabia que o Seu Reino e os seus valores estavam sendo deturpados. Repetindo: Seus valores eram eternos e não prazeres passageiros; em nome disso Ele venceu até as próprias necessidades físicas “normais” do corpo humano que Ele usou enquanto esteve aqui conosco, mas nunca negligenciou os valores de Deus, pelo contrário, entregou seu próprio corpo como sacrifício para que pudéssemos ser reintegrados à santidade de Deus. Hoje, o que se vê é muita gente “sacrificando” o espírito, que é eterno, em favor do corpo físico que dura no máximo cem, cento e tantos anos quando muito abençoado com saúde, e sendo incentivados e até aplaudidos por alguns que se consideram cristãos.
   
“LEAIS SÃO AS FERIDAS FEITAS PELO AMIGO, MAS OS BEIJOS DO INIMIGO SÃO ENGANOSOS” - PROVÉRBIOS 27:6

O QUE JUSTIFICA O ÍMPIO, E O QUE CONDENA O JUSTO, TANTO UM COMO O OUTRO SÃO ABOMINÁVEIS AO SENHOR. Provérbios 17:15

sábado, 15 de abril de 2017

ONDE ESTÁ ELE?

Uma das coisas mais lindas que eu assisti na minha vida, foi a Paixão de Cristo encenada no Teatro ao vivo de Nova Jerusalém, Pernambuco. Como muitos sabem, é um teatro onde você acompanha os artistas, caminhando de palco em palco, onde são montadas as cenas. Você tem a sensação de estar vivendo mesmo tudo aquilo. Chorei de me acabar, claro, mas o que mais me emocionou foi a ressurreição, quando Jesus sai daquela tumba com roupas brancas e um aspecto tranquilo de paz, porém, com um brilho especial que confirmava a vitória e autoridade estrondosas que Ele tivera sobre a morte e os seus executores; totalmente diferente de quando fora colocado ali na sexta-feira, depois da Sua morte na cruz.

Esta cena descrita abaixo por João, um dos seus discípulos, também é linda e nos enche de esperança ao lembrarmos que, um dia, também o veremos, vestido de toda sua glória e majestade. Leia com o espírito rendido a este fato; Ele ressuscitou mesmo!

No primeiro dia da semana, bem cedo, estando ainda escuro, Maria Madalena chegou ao sepulcro e viu que a pedra da entrada tinha sido removida.
Então correu ao encontro de Simão Pedro e do outro discípulo, aquele a quem Jesus amava, e disse: "Tiraram o Senhor do sepulcro, e não sabemos onde o colocaram! "
Pedro e o outro discípulo saíram e foram para o sepulcro.
Os dois corriam, mas o outro discípulo foi mais rápido que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro.
Ele se curvou e olhou para dentro, viu as faixas de linho ali, mas não entrou.
A seguir Simão Pedro, que vinha atrás dele, chegou, entrou no sepulcro e viu as faixas de linho, bem como o lenço que estivera sobre a cabeça de Jesus. Ele estava dobrado à parte, separado das faixas de linho.
Depois o outro discípulo, que chegara primeiro ao sepulcro, também entrou. Ele viu e creu.
( Eles ainda não haviam compreendido que, conforme a Escritura, era necessário que Jesus ressuscitasse dos mortos. )
Os discípulos voltaram para casa. Maria, porém, ficou à entrada do sepulcro, chorando. Enquanto chorava, curvou-se para olhar dentro do sepulcro
e viu dois anjos vestidos de branco, sentados onde estivera o corpo de Jesus, um à cabeceira e o outro aos pés.
Eles lhe perguntaram: "Mulher, por que você está chorando? " "Levaram embora o meu Senhor", respondeu ela, "e não sei onde o puseram".
Nisso ela se voltou e viu Jesus ali, em pé, mas não o reconheceu.
Disse ele: "Mulher, por que está chorando? Quem você está procurando? " Pensando que fosse o jardineiro, ela disse: "Se o senhor o levou embora, diga-me onde o colocou, e eu o levarei".
Jesus lhe disse: "Maria! " Então, voltando-se para ele, Maria exclamou em aramaico: "Rabôni! " (que significa Mestre). Jesus disse: "Não me segure, pois ainda não voltei para o Pai. Vá, porém, a meus irmãos e diga-lhes: Estou voltando para meu Pai e Pai de voc
ês, para meu Deus e Deus de vocês".

Foi para nos tornar “filhos” de Deus, como Ele, que Jesus enfrentou tudo aquilo. E o mais importante: Ele venceu e está vivo, em outra dimensão, onde também estaremos um dia, festejando a sua vitória e adorando ao único Deus que pode garantir a vida eterna aos que são seus filhos. Deus é “infinitamente” Santo e absolutamente Perfeito; apenas Ele mesmo poderia nos aperfeiçoar até este nível. E foi isso mesmo que Ele fez ao enviar Jesus para nascer de modo sobrenatural, viver e morrer, também de modo sobrenatural, visto que Ele nunca pecou apesar de estar revestido da natureza humana. Se não fosse pelo sacrifício, em pureza absoluta, de Jesus, não haveria como purificar o nosso espírito da degeneração que o pecado nos trouxe, nem poderíamos apagar nossos erros e anular nossos defeitos ao ponto de satisfazer a perfeição de Deus, por mais que vivêssemos zilhões de vidas e enfrentássemos outros zilhões de mortes.


Graças a Jesus, não precisamos disso, porque a morte dele cumpriu todos os requisitos da perfeição absoluta de Deus. Ele conquistou para nós a justificação, o perdão e a santidade necessária para que possamos também ser filhos do Altíssimo. Alegre-se! Ele está vivo e venceu a morte e o pecado por nós!!!! 


quinta-feira, 13 de abril de 2017

TANTO AMOR E TANTA DOR! POR QUÊ?



Muita gente, até hoje, não entende, outros nem sequer se preocupam ou se lembram, outros, por incrível que pareça, ainda desconhecem ou não creem na existência da execução mais desumana da História, e muito menos no Executado. Desumana porque o ser humano em questão, (sim, Ele também foi humano) era completamente inocente e puro no sentido pleno da palavra. Não havia nele culpa nenhuma de qualquer natureza. Mesmo assim, foi executado da maneira mais torturante que se possa imaginar. Sofrendo, ao mesmo tempo, todos os tipos de angústias que atingem a humanidade; todas caíram sobre Ele de uma vez só.


Ele foi cuspido, humilhado, esbofeteado, açoitado com o pior tipo de instrumento, que é o azorrague; uma espécie de chicote com várias cordas terminando em pontas de metal que dilaceravam a pele e músculos do condenado. Depois, recebeu uma coroa de espinhos que lhe foi colocada na cabeça da maneira mais violenta possível para que, assim, machucasse muito o couro cabeludo e a fronte. Em seguida, foi obrigado a carregar sua própria cruz, já exausto e enfraquecido pela tortura, até o Gólgota; onde foi pregado pelas mãos e pés no madeiro. Ali, sofreu dores inimagináveis por muitas horas, padeceu pelo frio era inverno quando Ele foi para a cruz sentiu fome, sede, sentiu a zombaria dos executores e também a tristeza e a dor de sua mãe e dos que acreditavam na Sua palavra, eles estavam todos ali, ao pé da cruz presenciando seu imenso sofrimento.


Apesar de toda a dor, Ele continuou amando, consolando os que sofriam por Ele, salvando um dos ladrões, executados ao seu lado e rogou ao Pai que perdoasse os seus carrascos. Realmente, esse tipo de amor vai muito além daquilo que conseguimos sentir ou mesmo entender. No livro Sangrando até à vida falei bastante sobre isso, que é uma das coisas que mais me impressionam no amor tão despojado de Si mesmo que Deus nos oferece em Seu Filho, Jesus Cristo. Vou transcrever um bom pedaço da página 216 do livro:

...o Messias levou sobre si as transgressões, a iniquidade, as enfermidades e todas as dores do mundo. Podemos imaginar, então, a razão pela qual o seu sacrifício resultou no massacre que temos conhecimento. Ele carregou todas as penas, todas as culpas que nos cabiam como infratores da justiça santa de Deus. O primeiro ser humano decidiu desobedecer, decidiu tomar conhecimento do mal, e mal é isso: todas as piores dores do mundo; as enfermidades, a violência, a dor física, o desprezo, a rejeição, a injustiça, o deboche, a ofensa, o abandono a fome, a sede etc., tudo o que Jesus sofreu naquela cruz, e por fim, a morte. Quando penso em tudo isso, não vejo como não adorar a um Deus assim, que é verdadeiramente Deus, verdadeiramente corajoso e verdadeiramente amoroso a ponto de suplantar o mal através da entrega do supremo Bem, que é Ele próprio. Ele é o oposto de todo o mal, mas aceitou ser envolvido em suas garras para nos libertar dele, para que não tivéssemos que nos ver algemados a esse peso massacrante para sempre e, além de tudo, sofrer sem alívio todas as penas que o mal nos impõe.

Há muitos que não entendem e não aceitam o mistério da cruz de Cristo. Porém, nada de novo nisso também, pois o apóstolo Paulo já dizia: Certamente, a palavra da cruz é loucura para os que se perdem, mas para nós, que somos salvos, poder de Deus (I Cor. 1:18). O momento da cruz visto sob a ótica humana e racional não nos fala de vitória, pelo contrário, nos fala de derrota, de subjugação, de impotência, de morte, porém, no espírito que é regenerado e iluminado pelo Espírito Santo, tudo isso é refletido pela cruz da maneira como as coisas realmente aconteceram no mundo espiritual. Cristo não foi derrotado, Ele venceu; Cristo não foi subjugado, Ele se submeteu por livre escolha; Cristo não estava impotente diante dos seus carrascos, pelo contrário, seus carrascos desconheciam Sua força real naquele momento; e por fim, Ele não sangrou até à morte, Ele sangrou até à vida; vida que ele conquistou para nós quando decidiu enfrentar a morte e, ao contrário do que se pensa, subjugá-la. A morte não o reteve, Ele ressuscitou e venceu o poder da morte.


Por isso, acredite! Ele é o Único que tem legalidade para garantir a sua vida depois desta vida. Ele é Deus, e guarda com Ele as origens da vida e a vitória sobre a morte! Alegre-se!! Ele ressuscitou e é digno de ser adorado!